Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

Brinquedos que ensinam os crescidos

 

 "Toy Story 3"

 

Woody: So long... partner.

 

 

A Pixar conquistou o mundo.

Lamento, mas agora somos todos escravos dos seus filmes de animação. Rendemo-nos e não conseguimos combater os extraordinários sentimentos que eles despertam em nós.

Mas ninguém percebeu muito bem como é que se processou essa conquista. Foi um golpe muito bem planeado e ainda melhor executado. Os filmes surgiram sorrateiramente mas fazendo grande furor logo à chegada.

Ninguém percebeu bem o golpe porque ninguém estava à espera. Os soldados vieram muito bem camuflados: parecem coisas para crianças à primeira vista, mas o que são verdadeiramente são filmes para adultos. As partes cómicas estão lá, e são brilhantes, como a hilariante adição do Ken, o brinquedo-homem que tem problemas existênciais de ser brinquedo de menina, mas tudo isto serve para tornar o drama menos pesado e mais acessível às crianças, não é de todo o foco da história..

À saída da sala de Cinema, as diferenças na reacção ao filme não puderiam tornar isto mais evidente: as crianças riam e imitavam as proezas dançarinas do alter-ego espanhol do Buzz Lightear, os crescidos tentavam esconder o facto de o filme os ter deixado com uma lágrima no canto do olho. Ou até com mais do que uma. E é sempre sinal de qualquer coisa mágica quando ao terminar o filme, uma sala esgotada aplaude.

 

E o currículo do estúdio continua imaculado, com uma obra fenomenal atrás de outra e verdadeiros clássicos como são "Wall-E", "Up" e esta trilogia "Toy Story".

Poucas histórias com "pessoas de verdade" oferecem uma lição sobre o crescimento com a densidade emocional apresentada por este "Toy Story 3". E é uma história de crescimento ainda mais dramática do que a da criança que tem de passar a adulto, é a dos brinquedos que têm de assistir a essa transformação e que não podem deixar de ser o que são. Os bonecos sentem como "pessoas de verdade" e lidam com problemas de "pessoas de verdade", e tudo porque querem continuar a ser bonecos, querem continuar a dar a uma criança memórias inesquecíveis de dias de inocência em que se fazia florescer a imaginação.

 

Lida-se com sentimentos tão dolorosos como o abandono e o ser-se substituído e esquecido. E mais do que tudo, principalmente através da mais que heróica personagem de Woody, lida-se com essa dificuldade em deixar que a criança a quem se prometeu companhia para sempre, prossiga sem os seus mais que fiéis amigos para o mundo dos crescidos.

O final é do mais tocante que se tem visto nas salas de Cinema. Deixa todos os crescidos enternecidos pelo significado que acarreta e fala para a criança que vive eternamente dentro de todos. As crianças propriamente ditas, mesmo que estejam mais contaminadas pela alegria da comédia do que por qualquer outra coisa, sentem lá no fundo que o momento é o de uma triste despedida. E o adulto à espera de acordar dentro delas diz-lhes que aproveitem ao máximo o tempo de que dispõem até terem de deixar a idade da imaginação. Mais crescidos ou menos, o momento é tocante para todos.

 

A Pixar deixa-nos tristes, mas de uma forma incrivelmente reconfortante.

 

 

9.5/10

 

 

 

publicado por RJ às 23:32
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Nekas a 31 de Agosto de 2010 às 09:44
A Pixar tem grandes clássicos como escreves mas, para mim, o meu preferido é a trilogia Toy Story.

Abraço
Cinema as my World (http://www.nekascw.blogspot.com/)
De T-666 a 2 de Setembro de 2010 às 02:11
RJ, não sei se já falaste neste filme mas aqui tens o trailer do Skyline:

http://www.youtube.com/watch?v=ZQ8sYRI8dPg&fmt=22

Ok, pode vir a não ser grande coisa mas sou um "sucker" por filmes que metam ET's. :D

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Os X-Men regressam ao fut...

. O "nada fantástico" Homem...

. I'll be back

. It's that time of the yea...

. Afinal o "Hugo" não é um ...

. E se não há palavras, há ...

. Não há palavras que o des...

. Drivers

. O Natal chegou mais cedo

. Neon-Noir

.Filme da Semana

Uploaded with ImageShack.us

.arquivos

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds