Segunda-feira, 31 de Maio de 2010

O fim à vista para "The Hobbit"?

 

Eu tinha um mau pressentimento em relação a "The Hobbit". Andármos já há uns três anos ou mais a ouvir que o filme estava prestes a ser feito não podia ser bom sinal. Os problemas que a MGM enfrentou, e enfrenta, recentemente também não ajudam, mas ainda assim continuava a ter alguma esperança...

Porém, hoje esta nova viagem à Terra-Média recebeu mais um duro golpe: Guillermo Del Toro abandonou o cargo de realizador do projecto.

 

Tendo dedicado os últimos dois anos a tratar dos preparativos para o filme, incluindo escrever o argumento e acompanhar o design das criaturas e dos cenários, mas já cansado de nunca ver a luz verde ser anunciada, Del Toro decide, (e com alguma razão), que não pode mais deixar que este purgatório em que se encontra "The Hobbit" entre em conflito com outros projectos que tem em mente.

 

Ora isto são notícias terrivelmente más para o filme. Ter Guillermo Del Toro no cargo de realizador parecia a opção perfeita a não ter Peter Jackson.

O ideal, face à saída de Del Toro, era Jackson voltar a sentar-se na cadeira de realizador, mas isso parece altamente improvável devido a outros projectos que o realizador tem. Caso Jackson não aceite o cargo, (o que me parece que seria uma excelente opção, dado que o seu último filme, "The Lovely Bones", não alcançou grande sucesso), eu sugiro Alfonso Cuáron. Com "Harry Potter and the Prisoner of Azkaban", que deu um novo rumo à saga de Harry Potter, e o extraordinário "Children of Men" no currículo, Cuáron parece uma opção fantástica.

 

Mas mesmo assim, é preciso fazer figas para que se comece definitivamente a trabalhar no filme. "The Hobbit" enfrenta dificuldades terríveis, e ficaria muito surpreendido se o vissemos estrear num futuro próximo.

 

 

 

publicado por RJ às 20:23
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

"Prince of Persia: The Sands of Time"

 

Jerry Bruckeimer é um homem com olho para o negócio. Estamos afinal a falar de um dos maiores produtores do nosso tempo, que tem lucrado milhões com sucessos desde a televisão até ao Cinema, e cuja jóia da colecção é o colossal "Pirates of the Caribbean".

Ora, a série de videojogos "Prince of Persia" parece perfeita para Bruckeimer adaptar: passa-se num local exótico por excelência, envolve artefactos com poderes místicos que podem libertar o apocalipse na Terra, e tem um herói que faz acrobacias impossíveis e espectaculares.

E sem dúvida que Bruckeimer sabe como cumprir a promessa de blockbusters exóticos, de encher o olho visualmente e com um aroma de épico. "Prince of Persia: The Sands of Time" não tem a magia das piratarias de Jack Sparrow, mas diverte como poucos filmes que passam na televisão todos os fins-de-semana conseguem fazer.

 

O Princípe Dastan vê-se na posse de uma misteriosa Adaga com o poder de manipular o Tempo, e depois de ser acusado injustamente de ter morto o rei da Pérsia, seu pai, persegue que tal assassinato é apenas o primeiro golpe de uma conspiração que pode colocar em risco toda a humanidade. A Adaga pode ser usada para libertar as Areias do Tempo, e se tal acontecer, é lançado o caos na Terra. Com a ajuda da Princesa Tamina, Dastan inicia uma corrida contra o tempo, para proteger a Adaga a todo o custo. 

 

Adaptar um videojogo não é brincadeira. É muito fácil que o filme se torne um entretenimento vulgaríssimo que as pessoas terão esquecido daí a dois dias, ou que nem sequer acabam de ver por falta de paciência. E o maior problema é que tais adaptações têm péssima fama.

Mas claro que essa fama tem razão de ser. Mesmo o melhor dos videojogos pode tornar-se um fracasso no Cinema. A mecânica dos videojogos é diferente da mecânica dos filmes. Um filme precisa de uma estrutura miniamente sólida em termos de argumento e de personagens minimamente convincentes. No Cinema as pessoas não estão demasiado entretidas com os comandos da Playstation na mão a tentar descobrir como tirar aquela réstia de vida ao boss com pior aspecto, para perceberem que aquela história e aquelas personagens são reciclagens baratas. 

 

O que faz Bruckeimer saber fazer bons negócios é que ele sabe quais são os ingredientes que fazem de um filme de acção um sucesso: bom protagonista, realizador minimamente competente, uma companheira feminina bonita e espirituosa, e muita adrenalina. Tudo isto combinado para fazer com que o espectador se interesse pelo que se está a passar no ecrã.

Mike Newell, que conta no currículo com o fantástico "Donnie Brasco" e com um dos melhores capítulos da saga de Harry Potter, "Harry Potter and the Goblet of Fire", é um bom realizador. Claro que neste mundo das corridas de obstáculos há pouco a fazer de extraordináriamente diferente, (a menos que se queira entrar em conflitos com os produtores), mas mesmo assim foi melhor ter Newell na realização do que um Brett Rattner ou um Michael Bay

O filme é no entanto, um pouco apressado. O desenvolvimento é só q.b., o indispensável para que se perceba minimamente o motivo de tanta correria. Contudo dá-se um contexto às personagens eficiente o suficiente para que nos continuemos a interessar por elas, e tanto Jake Gyllenhaal como Gemma Arterton e Ben Kingsley estão bem, dentro daquilo que se espera neste género.

O filme beneficiava imenso de mais vinte minutos, e são esses vinte minutos que lhe faltam para o elevar a um patamar superior. Porém, como o espectador vai sendo brindado com colheradas de humor, (principalmente pela personagem do empresário das corridas de avestruzes, interpretado por Alfred Molina, cujo ódio por impostos vai arrancando sorrisos), e como todas aquelas duas horas transpiram estilo, cuidado técnico, (mesmo que nalgumas cenas o CGI pudesse estar melhor), e magia de blockbuster puro sem pretensões a ser obra-prima, no final, não temos dúvida de que a experiência foi boa.

As expectativas não eram muitas, mas o filme acabou por se provar uma agradável surpresa, dentro daquilo que prometia oferecer.

 

Convenhamos, a velha história da destruição do mundo já não convence ninguém. Já a ouvimos demasiadas vezes, e se no início até pode ter parecido ameaçadora, agora começa a dar-nos vontade de ver mesmo o mundo acabar, só para deixarmos de ter a sensação de que nos andam a aldrabar. Claro que até se compreende: se o vilão da voz monocórdica e da barbicha maléfica dissesse, "Eu tenho uma arma mesmo, mesmo muito ameaçadora... que pode matar aquele tipo com ar ligeiramente nojento que vai a atravessar a rua e que tu nunca viste na vida", é provável que o herói decidisse arrumar a espada e voltar para a esplanada para acabar o pires de tremoços. Ainda assim, a overdose de ameaças à existência do universo faz com que essa seja um tipo de premissa que, à partida, dificulta que o espectador esteja interessado por aquilo que se passa no ecrã. Se o espectador se interessa, se não começa a pensar a meio de uma luta mortal, quando a amada do herói está prestes a cair num lago de lava, "O que é que eu vou jantar hoje?", então o filme deu-nos o suficiente para valer o dinheiro do bilhete e a tarde que gastámos com ele.

 

Este filme não é de modo algum uma pérola da História da 7ªarte, mas conseguiu manter-me interessado, e deu-me duas horas de puro entretenimento passadas sem o mais leve aborrecimento. Às vezes, não é preciso mais. 

 

7/10

___

 

Tamina: Dastan, where's the Dagger?
Prince Dastan: You're welcome to search me for it. You'll have to be very thorough.

 

Tamina: Such a noble prince leaping to assist the fallen beauty.
Prince Dastan: Who said you are a beauty?
Tamina: There must be a reason why you can't take your eyes of me.
Prince Dastan: [stutters] You're... I...

 

Tamina: That's impossible.
Prince Dastan: Difficult, not impossible.

 

Prince Dastan: You really enjoy telling me what to do, don't you?
Tamina: Only because you are so good at following orders.
Prince Dastan: Don't press your luck.

 

 

 

publicado por RJ às 18:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Romance instantâneo

 

Clarence Worley: You just said you love me, now if I say I love you and just throw caution to the wind and let the chips fall where they may and you're lying to me I'm gonna fuckin' die.

 

("True Romance", 1993)

 

 

 

publicado por RJ às 01:08
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Cultura Pop

 

Rob: What came first, the music or the misery? People worry about kids playing with guns, or watching violent videos, that some sort of culture of violence will take them over. Nobody worries about kids listening to thousands, literally thousands of songs about heartbreak, rejection, pain, misery and loss. Did I listen to pop music because I was miserable? Or was I miserable because I listened to pop music?

 

("High Fidelity", 2000)

 

 

 

publicado por RJ às 21:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 22 de Maio de 2010

Cavaleiro andante

 

Elrond: Our time here is ending, Arwen's time is ending. Let her go... let her take the ship into the West. Let her bear her love for you to the Undying Lands, there it will be ever green...
Aragorn: ...but never more than a memory.

 

("The Lord of the Rings - The Two Towers", 2002)

 

 

 

publicado por RJ às 23:30
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 8 de Maio de 2010

Filme. Mais. Aguardado. Do. Ano.

 

Foi divulgado um novo poster e trailer para "Inception" de Christopher Nolan.

O novo trailer é muito mais revelador do que os anteriores, levantando a ponta do véu sobre o que será a história do filme. Ainda assim, depois de o ver, a sensação continua a ser de total e maravilhosa perplexidade.

 

Vejam o trailer aqui!

 

Espero que se revele uma absoluta obra-prima. Menos do que isso, é ficar aquém das expectativas.

 

(de momento, a data de estreia para Portugal é 22 de Julho, sendo que o filme irá estrear com o título "A Origem")

 

 

 

publicado por RJ às 15:42
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sábado, 1 de Maio de 2010

Desfrutar do silêncio

 

Mia: Don't you hate that?
Vincent: What?
Mia: Uncomfortable silences. Why do we feel it's necessary to yak about bullshit in order to be comfortable?
Vincent: I don't know. That's a good question.
Mia: That's when you know you've found somebody special. When you can just shut the fuck up for a minute and comfortably enjoy the silence.

 

("Pulp Fiction", 1994)

 

 

 

publicado por RJ às 00:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Os X-Men regressam ao fut...

. O "nada fantástico" Homem...

. I'll be back

. It's that time of the yea...

. Afinal o "Hugo" não é um ...

. E se não há palavras, há ...

. Não há palavras que o des...

. Drivers

. O Natal chegou mais cedo

. Neon-Noir

.Filme da Semana

Uploaded with ImageShack.us

.arquivos

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds